0 Flares Filament.io 0 Flares ×

GINECOLOGIA NATURAL

Ciclo Feminino e Medicina Chinesa

Jacqueline Guerra, naturóloga, coach de saúde e bem-estar e jornalista

6 de Junho de 2018

Como a Medicina Chinesa compreende a anatomia e a fisiologia feminina e trata os distúrbios ginecológicos?

Esse é o segundo artigo de uma série de textos semanais que irão abordar o ciclo feminino sob o ponto de vista das medicinas tradicionais – Ayurveda e Medicina Chinesa – e outras terapias integrativas e complementares que estão contempladas na visão da Naturologia. O primeiro foi Ciclo Feminino e Ayurveda, clique no link e dê uma conferida também.

Considero importante ampliar a visão sobre a nossa saúde e ganhar novas perspectivas sobre o nosso corpo, nossas necessidades e como podemos nos cuidar e fazer escolhas mais adequadas. Muitas pessoas já foram atendidas com acupuntura, por exemplo, mas não fazem ideia do porquê aquelas agulhas trazem efeitos e auxiliam no processo de recuperação. Dessa forma, esse artigo tem como objetivo apresentar mais informações de como os tratamentos da Medicina Chinesa podem auxiliar nos distúrbios femininos.

Assim como o Ayurveda na Índia, a Medicina Tradicional Chinesa (MTC) também é milenar e tem sua base na cultura oriental taoísta, que considera o corpo humano como um microcosmo do universo, sendo a natureza humana também regida pelas forças do Yin e Yang, sempre em mutação.

O Yin simboliza o princípio feminino, e o Yang é o símbolo do masculino. O Yin é representado pela água e Yang pelo fogo. A natureza do Yin é circular e cíclica, assim como o funcionamento do corpo da mulher. O Yin tem qualidades como: receptividade, passividade, suavidade, devoção, concentração, recolhimento, introspecção, profundidade e adaptabilidade.

Como o corpo da mulher é regido pelo princípio Yin, para nós, mulheres, é importante compreender, alimentar e preservar essas características. Mas em nossa sociedade ocidental, as mulheres estão vivendo rotinas cada vez mais Yang: excesso de trabalho, atividades, tarefas e responsabilidades. Isso desgasta os atributos Yin do corpo e da psique da mulher e traz problemas relacionados à fertilidade, à amamentação, ao parto e à menopausa.

“A cura do Yin é nada mais que deixar o tempo e o espaço entrarem em nossas vidas, sem que precisemos preenchê-los.
Yin é o Vazio, o Vazio é o útero, é no útero que a nova vida pode surgir. Nada de novo surge onde já está tudo ocupado”.

(Helena Campligia, Domínio do Yin)

O útero e os ovários são representativos do Yin, pois manifestam a capacidade de gerar a vida em seu interior. O sangue é considerado o abrigo material das forças espirituais e abriga a alma. Na China antiga, o sangue era chamado de “seiva vermelha da Mãe Terra” e também representa as características Yin que dão vida a todas as coisas.

A tradição taoísta atribuiu ao aparelho reprodutivo feminino nomes poéticos que reverenciam o sagrado feminino, descritos no quadro abaixo. Partindo dessa abordagem, é possível refletir como a saúde da mulher é considerada importante para a geração da vida e os tratamentos propostos pela MTC levam em consideração todos os aspectos da saúde física, energética, mental, emocional e espiritual.

 

Ciclo Feminino

O ciclo menstrual alterna fases Yin e Yang. Durante a menstruação, ocorre a transformação do Yang em Yin. Quando o óvulo se forma, na fase folicular, é o apogeu do Yin com a produção de estrógeno. A ovulação, com o aumento de progesterona, marca a fase Yang do Yin. Na fase lútea, pré-menstrual, ocorre o predomínio do Yang. Por isso, nossos dias são cercados de altos e baixos, expansão e recolhimento, tudo está em mutação sempre.

Nesse contexto, o tratamento de acupuntura pode acompanhar essas fases com a escolha da inserção das agulhas em pontos diferentes para melhorar as condições de cada período, por exemplo: evitar a estagnação de sangue, estimular a abertura do útero e do fluxo, aliviar cólicas, etc.

Para o estilo de vida taoísta, a sintonia de nossa sexualidade com os ritmos da natureza é um aspecto importante. E também reconhece que o ciclo da ovulação e da menstruação é governado pelas fases da Lua. Sobre isso, já falei no artigo Mandala Lunar e o Ciclo Feminino.

Princípios da MTC

O objetivo da MTC é realinhar o equilíbrio dos meridianos, canais em que circulam a energia vital (Qi) no corpo, promovendo o
equilíbrio do organismo e a restauração dos padrões fisiológicos.

Segundo a MTC, a saúde do ciclo menstrual depende do equilíbrio de duas substâncias: Qi e Xue (Sangue).

Qi pode ser traduzido como a força vital universal. Está associado, no nível celular, às funções de ATP (adenosina trifosfato), que provê energia para as nossas células.

O conceito de sangue (Xue) na MTC é diferente da medicina ocidental.  O Xue é uma substância vital, responsável por nutrir e lubrificar nossos tecidos e órgãos, formada a partir da essência dos alimentos via digestão e absorção. Enquanto o Qi harmoniza o corpo energeticamente, o sangue atua na parte física.

O sangue é essencial na fisiologia da mulher e rege a menstruação, por isso, várias disfunções de Qi e Xue (Sangue) podem causar sintomas na saúde em geral e no ciclo menstrual. Por exemplo, se houver uma deficiência de Qi, o corpo não terá energia para gerar o sangue menstrual. Se houver uma deficiência de Sangue, o corpo não será capaz de dispensar os fluidos e tecidos para a menstruação. Também pode ocorrer estagnação de Qi e Xue, formando massas como cistos e miomas.

Na MTC, o Fígado e os meridianos Vaso Penetração e Vaso Concepção são responsáveis pela fisiologia da menstruação. A teoria  
Zang F
u
considera não somente as funções físicas dos órgãos e vísceras mas também suas funções energéticas. Cada órgão e víscera tem um meridiano correspondente no corpo e o fluxo de energia vital em cada um determina o estado de saúde.

Nesse contexto, apresento um breve resumo sobre o papel dos órgãos no ciclo feminino.

  • O Coração regula o sangue.
  • O Fígado armazena o sangue.
  • O Baço-Pâncreas governa o sangue.
  • Os Rins armazenam a Essência (Jing).

 

O Fígado é um dos principais fatores a considerar quando falamos sobre os ciclos das mulheres. Na MTC, o termo “fígado” descreve não apenas o órgão real, mas também sua função energética. O fígado estimula e harmoniza o útero, regula o sangue, o ciclo menstrual e a reprodução. Mantém o Qi e o Sangue fluindo livremente por todo o corpo e mente.

Quando esse fluxo está obstruído ou estagnado, podemos desenvolver sintomas relacionados à menstruação, como TPM (dores de cabeça, irritabilidade, seios doloridos, inchaço etc.), câimbras, coagulação, ciclos irregulares, amenorreia, cistos, endometriose e outros. Quando ajudamos a energia do fígado a fluir livremente através de acupuntura, fitoterapia e mudanças na dieta e no estilo de vida, esses sintomas diminuem naturalmente.

Os Rins são considerados “a porta da vitalidade”, pois preservam a força vital e a energia ancestral, são a fonte da reprodução, regem a gravidez e o parto, produzem e nutrem os ossos, a medula e o cérebro, e são a raiz da sexualidade feminina. Os Rins são responsáveis por todas as funções relacionadas ao útero, as trompas e os ovários.

Os Rins e o Coração representam o eixo entre os ovários e o cérebro (eixo hipotálamo-hipófise-ovariano), que regula a produção hormonal, incluindo a progesterona e o estrogênio, dois hormônios importantes para o ciclo menstrual.

O Baço-Pâncreas e o Estômago comandam a transforção dos alimentos e o processo de transporte dos nutrientes para a produção de Sangue e Qi. As disfunções do Baço podem causar sintomas como: hemorragia, metrorragias, alterações do fluxo menstrual e da fertilidade, retenção de líquidos, edema, diarreia e leucorreia.

O Meridiano do Útero liga-se ao Coração. As questões emocionais têm uma grande influência no estado energético e são um fator de adoecimento. Cuidar da saúde emocional, portanto, é bem importante para o equilíbrio da saúde em geral.

 

Tratamento

A medicina chinesa pode apoiar o restabelecimento de várias disfunções relacionadas ao ciclo feminino: endometriose, síndrome dos ovários policísticos, falência ovariana, infertilidade. E nas diferentes fases da vida: menarca, preparo para a concepção, gestação, parto, pós-parto, amamentação e menopausa. A acupuntura também propicia um bem-estar psíquico e um relaxamento profundo.

Além da acupuntura e auriculoterapia, a MTC abrange ventosaterapia, moxabustão, fitoterapia, massagem Shiatsu, dietoterapia e Qi Gong, prática que será tema de outro artigo relacionado ao ciclo feminino.

A consulta de Naturologia inclui a abordagem da Ayurveda, da Medicina Chinesa e de outras terapias integrativas e complementares. A partir de uma anamnese geral, proponho um processo terapêutico incluindo: orientação alimentar e de estilo de vida, fitoterapia, massagem, posturas de yoga específicas para o equilíbrio hormonal, pranayamas (exercícios de respiração), além de acupuntura, florais, aromaterapia, cromoterapia, entre outras.

Para saber mais sobre o atendimento clínico que ofereço em São Paulo, clique em Saúde da Mulher.

O próximo artigo da série semanal será Ciclo Feminino e Yogaterapia. Para receber os textos em seu e-mail e acompanhar toda a série, cadastre-se abaixo.

 

Acompanhe também pela página da Natucoaching no Facebook